Ir al contenido principal

Destacados

El Agua: Un Bien Universal

El agua , que es un bien universal y necesario para la vida, sufre de manera silenciosa su pandemia : ¡los microplásticos !. Además, la explotación de manantiales por la empresa privada complica la accesibilidad por parte de de la población. Este acceso debe ser preservado mediante políticas gubernamentales que, también, protejan su calidad, evitando su contaminación. La organización Ecologistas en Acción ( @ecologistas ) trabaja en la campaña " Aquí se sirve agua del grifo ", para concienciar a los ciudadanos, establecimientos hosteleros y ayuntamientos sobre el consumo de agua suministrado a través de fuentes y grifos, impidiendo así, que la pandemia de los microplásticos se propague y garantizando el acceso universal . Alicia González Manzano, economista, miembro de Ecologistas en Acción nos lo cuenta.

NATAL, por JOSÉ DE CAMPOS

 

N A T A L


Diz-se que o Natal é sempre que o homem quiser, mas é certamente mais Natal, na época que o calendário determina...


Em que há frio,

calor humano,

neve, uma lareira,

chuva, um agasalho,

frio nos pés, Missa do Galo.

Algum desengano, talvez enguiço,

azeite, bacalhau, couve e muito alho.

Doentes a sofrer,

pobres sem um tecto,

gente em sua terra, 

soldados na guerra,

famílias felizes, outras nem por isso.

Uns que têm paz, outros solidão,

uns com abundância e muitos sem pão.

Montras enfeitadas,

lares sem aconchego,

montes de famílias em desassossego.

Bolos, filhoses, 

um surdo clamor de pobres vozes, 

desemprego.

Olhitos de criança, o Pai Natal,

prenditas no sapato, frio glacial,

muitas correrias, algum desacato.

Um olhar ao Céu, uma prece a Deus,

e quem é cristão a lembrar os seus.

Os nossos amores, que connosco vivem,

e os progenitores que nos deram vida,

e a qualquer momento estão de partida.

Os filhos dilectos a chegar a casa,

e os avós e netos a atiçar a brasa.

O cheiro dos fritos em cima da mesa,

e a triste lembrança de muita pobreza.

Um lar de abundância,

e a recordação de uma pobre infância,

e de alguns medos, 

de um tempo passado com poucos brinquedos.

Lembranças da terra,

da massa a fintar na grande panela, 

chama a crepitar, e cheiro a canela.

O madeiro em chamas, aquecendo a praça,

o calor no rosto da gente que passa,

o velho e o jovem que seus sonhos traça.

O menino nu em palha estendido, causa um arrepio,

mas, porque é divino, nunca sente frio.

É tempo de esperança, de uma nova aurora, 

e se eu não me lembro,

digam-me agora,

quando é o Natal, se não em Dezembro?  


 José de Campos



                                             







Comentarios

Entradas populares